Em busca dos públicos para relações públicas

esboço de uma perspectiva pragmatista

  • Israel Rocha Universidade Federal do Amazonas

Resumo

O conceito de públicos está entre os mais controversos na área de relações públicas. Neste artigo, procura-se recuperar de forma breve algumas definições tradicionalmente aceitas e seus limites. Em seguida propõem-se algumas questões iniciais relacionadas aos públicos, seguindo uma intuição presente mas pouco explorada na literatura científica de relações públicas sobre o tema. Por fim, procura abrir caminhos para uma análise dos públicos centrada na ideia de fluxos e redes que envolvem os públicos e as organizações contemporâneas.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##

Professor do curso de Relações Públicas da Universidade Federal do Amazonas. Mestre e doutorando em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia. Graduado em Relações Públicas pela Universidade Estadual da Bahia e em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia. 

Referências

ALCADIPANI, Rafael; HASSARD, John. Actor-Network Theory, organizations and critique: towards a politics of organizing. Organization, v.17, n.04, London, 2010.
ANDRADE, Cândido T. de Souza. Para entender relações públicas. 4ed. São Paulo: Loyola, 2005.
ANDRADE, Cândido T. de Souza. Psicosociologia das relações públicas. 2ed. São Paulo: Loyola, 1989.
BALDISSERA, Rudimar. Comunicação organizacional na perspectiva da complexidade. Organicom, edição especial, ano 06, n.10/11, 2009.
BLUMER, Hebert. A massa, o público e a opinião pública. In: COHN, Gabriel. Comunicação e indústria cultural. São Paulo: Editora Nacional, 1971.
CALLON, M. Some elements of a sociology of translation – domestication of the scallops and the fishermen of St- Brieuc Bay. Sociological Review Monograph, p. 196-233, 1986.
CAVALCANTI, Maria F. Rios; ALCADIPANI, Rafael. Organizações como processos e teoria ator-rede: a contribuição de John Law para os estudos organizacionais. Cadernos Ebape.br, v.11, n.04, Rio de Janeiro, dez. 2013.
CESCA. Cleuza G. Gimenes. A classificação de públicos não mais atende à exigências das Organizações. In: Livro de actas do 4 Sopcom, 2005. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/gimenes-gleuza-classificacao-tradicional-publicos-nao-mais-atende-esxigencias-organizacoes.pdf. Acesso em: 08.09.2017.
DEWEY, John. The public and its problems: an essay in political inquiry. Pennsylvania: The Pennsylvania State University Press, 2012.
FRANÇA. Fábio. Públicos: como identificá-los em uma nova visão estratégica. São Caetano do Sul: Yendis, 2008.
_______. Conceituação lógica de públicos em relações públicas. 2002.
GRUNIG, James E.; FERRARI, Maria Aparecida; FRANÇA, Fábio. Relações públicas: teoria, contexto e relacionamento. São Caetano do Sul: Difusão, 2009.
KUNSCH, Margarida. Planejamento de relações públicas na comunicação integrada. São Paulo: Summus, 2003.
LATOUR, Bruno. Como falar do corpo: a dimensão normativa sobre os estudos da ciência. In: NUNES, J.A. & ROQUE, R. (Org.). Objetos impuros: experiências em Estudos Sociais da Ciência. Porto: Edições Afrontamento, 2007.
_______. Reagregando o social: uma introdução a teoria ator-rede. Salvador: Edufba, 2012.
_______. Se falássemos um pouco de política. Política e Sociedade. v. 03, n. 04, Porto Alegre, 2004.
LAW, John. Notes on the Theory of the Actor-Network: ordering, strategy, and heterogeneity. Systems Practice, v.05, n.04, 1992.
SIMÕES, Roberto Porto, Relações Públicas: função política, 3ª ed., São Paulo, Summus Editorial, 1995.
Publicado
2017-11-29
Como Citar
ROCHA, Israel. Em busca dos públicos para relações públicas. Conexões: revista de relações públicas e comunicação organizacional, [S.l.], v. 1, n. 01, p. 30-47, nov. 2017. Disponível em: <http://periodicos.ufam.edu.br/conexoes/article/view/3799>. Acesso em: 17 dez. 2017.