FORMAÇÃO DO EDUCADOR INDÍGENA: INSTRUMENTO DE FORTALECIMENTO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA

  • Simone Rodrigues Batista Mendes Conselho Estadual de Educação de Roraima - CEE/RR e Professora convidada da Universidad Evangélica del Paraguay - UEP.

Resumo

O artigo é resultado da pesquisa de Doutorado sob o título: Autonomia e Fortalecimento da Educação Escolar Indígena: percepções dos sujeitos políticos envolvidos no Projeto Magistério TAMδKAN (2006 – 2013). O Projeto Magistério Indígena TAMÎ’KAN (PMIT), aconteceu no período de2006 a2013, fruto da luta dos movimentos e lideranças indígenas de Roraima. O curso teve como objetivo habilitar professores indígenas para atuar nas séries iniciais do ensino fundamental das escolas localizadas em terras indígenas. Formação em serviço ofertada para professores que se encontravam em pleno exercício da docência sem formação mínima, executado pelo Centro Estadual de Formação dos Profissionais da Educação de Roraima (CEFORR), unidade pertencente à Secretaria da Educação de Roraima; Analisar a contribuição do PMIT no fortalecimento da educação escolar indígena do Estado a partir da percepção dos egressos do curso. A questão metodológica se estabelece a partir de uma abordagem qualitativa, método hermenêutico e técnica análise de conteúdo para entrevistas. Assim, a percepção dos egressos é que a formação adquirida no projeto tem contribuído sobremaneira para o fortalecimento de uma escola indígena, específica, diferenciada, bilíngue e comunitária, tendo em vista, a construção de perfil de professor participativo-reflexivo e com responsabilidade social para com seus parentes de etnia e comunidade. Em síntese, o fortalecimento da educação escolar indígena depende da construção da autonomia intelectual, crítico-reflexiva que emancipa o sujeito indígena.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##
Doutora em Ciências da Educação - Universidad Evangelica Del Paraguay/PY, Mestre em Ciências da Educação - Universidad Alcalá/Es. Licenciada em Letras pela Universidade Federal de Roraima, Professora da Educação Básica e Superior.

Referências

1 Artigo de Periódicos
FREITAS, A. M. B. de. (2011, setembro/dezembro) O Instituto Insikiran da Universidade Federal de Roraima: trajetória das políticas para a educação superior indígena. (Vol. 92, n. 232) Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, (pp. 599-615). Brasília. Recuperado de: . Acesso em: 12 ago. 2015.


MILHOMEM. M. S. F. dos S.(2008, janeiro/julho). Educação escolar indígena: as dificuldades do currículo interculcural e bilíngue. (Vols. 3). Revista Fórum Identidades São Cristovão: SE. (3). 95-102.


SECCHI, D. (2007). Autonomia e protagonismo indígena nas políticas públicas: Cadernos de Educação Escolar Indígena. (Vols. 5).
2 Documentos Legislativo
Lei n.9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996, 23, dezembro). Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, seção 1.


Constituição da Republica Federativa do Brasil.(1998, 5, outubro). Recuperado em 20 de março de 2016 de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm.
Parecer n. 6 de 4 de abril de 2014.(2014,4,abril). Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores Indígenas. Conselho Nacional de Educação.


Resolução Nº 5 de 22 de junho de 2012. (2012, 22 de outubro). Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Escolar Indígena. Conselho Nacional de Educação.


3 Documentos Publicado na Internet
BANIWA, G. Acampamento define estratégias do movimento nesta quarta-feira. (18/04/2007). Recuperado 23 de outubro de 2015 de
BRASIL. (2010), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo Demográfico. Brasília: Distrito Federal, DF. Recuperado em 18 de fevereiro de 2015.< http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010>.


BRASIL. (2005) Ministério da Educação. Referenciais para a formação de professores indígenas: Brasília, Distrito Federal, DF: MEC; SEF. Recuperado em 25 de junho de 2016.


BRASIL. (2013) Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Indígena: Brasília: Ministério da Educação. Recuperado em 20 de março de 2016.< http://portal.mec.gov.br/docman/julho-2013-pdf/13677-diretrizes-educacao-basica-2013-pdf/file >.


GILBERTO, I. J. L (2009). A Educação Indígena e a Formação de Professores. 32ª Reunião da ANPED. Recuperado em 30 de março de 2015 de .


2. Livros

BARDIN, L. (1997). Análise de conteúdos (70a ed.). São Paulo, SP.


FERREIRA, M. K. (2001). .A educação escolar indígena: um diagnóstico crítico da situação no Brasil: In: SILVA, A. L. da; FERREIRA, M. K. L. (orgs.). Antropologia história e educação: a questão indígena na escola. (2a.ed.). São Paulo, SP: Global.


GHEDIN, E., & FRANCO, M. A. S. (2011). Questões do método na construção da pesquisa em educação: (2a ed.) São Paulo, SP: Cortez.


LÜDKE, M. (2004). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. Rio de Janeiro, RJ: Zahar.


MAHER, T. de J. M. (2006). A formação de professores indígenas: uma discussão introdutória. In: GRUPIONI, L. D. B. Formação de professores indígenas: repensando trajetórias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, p. 11-37.


MELIÁ, B. (1999). .Educação indígena e alfabetização: São Paulo, SP: Loyola.


NEVES, J. L. (1996) Pesquisa qualitativa: características, uso e possibilidades. Cadernos de pesquisa em administração. São Paulo, SP: V. 1, nº 3, 2ºsem.


PIMENTA,S. G. (2002). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo, SP: Cortez.


PROJETO MAGISTÉRIO INDÍGENA TAMÎ’KAN, (2011). Centro Estadual de Formação de Professores de Roraima (CEFORR). Gerencia de Formação Indígena.


RIBEIRO. (1996). Os índios e a civilização: a integração das populações indígenas no Brasil moderno. São Paulo, SP: Companhia das letras.


SAMPIERI, R. H. (2006) Metodologia de pesquisa. São Paulo: McGraw Hill.


SILVA, A. L. da, (2001). Educação para a tolerância e povos indígenas no Brasil. In: GRUPIONI, Luís Donizete Benzi; VIDAL, Lux Boelitz; FISCHMANN.


SILVEIRA, E. D. da, & SILVEIRA, A. D. da. (2012). Direito Fundamental à Educação Indígena: Curitiba, PR: Juruá.


3 Teses
BICALHO, P. S. dos S. (2010). Protagonismo indígena no Brasil: 468f. Tese Doutorado. - Universidade de Brasília (UNB), Brasília, DF.
Publicado
2017-09-20
Como Citar
BATISTA MENDES, Simone Rodrigues. FORMAÇÃO DO EDUCADOR INDÍGENA: INSTRUMENTO DE FORTALECIMENTO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA. Revista Amazônida: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Amazonas, [S.l.], v. 1, n. 2, set. 2017. ISSN 2527-0141. Disponível em: <http://periodicos.ufam.edu.br/amazonida/article/view/3552>. Acesso em: 22 jan. 2018.