VIOLÊNCIA VIVIDA POR JOVENS RURAIS: ENFRENTAMENTOS E SUAS TÁTICAS DE RESISTÊNCIA

  • Julyanna De Melo Ribeiro Curso de Pós-graduação em Psicologia/ Instituto de Psicologia (UFAL).
  • Saulo Luders Fernandes Universidade Federal de Alagoas (UFAL) - campus Arapiraca
  • Érika Cecília Soares Oliveira

Resumo

O presente artigo trata-se do estudo sobre as táticas utilizadas como processo potencializador para a superação da violência e a violação de direitos vivenciadas por jovens rurais. A metodologia utilizada trata-se da pesquisa qualitativa de caráter descritivo que se desenvolveu em cinco etapas: a revisão bibliográfica da literatura existente; a localização dos sujeitos através do Centro de Referência Especializado de Assistência Social – CREAS; a produção de dados através de entrevista semiestruturada com uma jovem no gênero feminino e um jovem masculino com idade de 19 e 20 anos da zona rural do agreste alagoano; a análise dos dados através da Análise de Conteúdo; e a devolutiva final para as/os jovens sujeitos da pesquisa. Teve como referencial os escritos de Foucault (1979). Diante da análise da pesquisa, pode-se construir três categorias para auxiliar a compreensão dos dados: Jovem em seu modo de vida rural; Violência vivida em suas diversas formas; Modos de enfrentamento e resistência. Foi refletido sobre os modos singulares de existência da/do jovem e sua relação com a nova conceituação da ruralidade, a vivência desse sujeito violentado e refém do sistema que não lhe dá acesso aos direitos e os reais modos de reorganização e resistência elaborados e praticados por elas/es. Conclui-se que ao jovem rural ainda não é dado, por parte das políticas públicas, o espaço de possibilidades de superação desses eventos desintegradores, ou mesmo espaço de luta por seus direitos, mas que essa luta existe mesmo assim, acontece em cada resistência cotidiana e silenciosa.
Palavras-Chave: Jovens. Ruralidades. Violência. Resistência.


VIOLENCIA VIVIDA POR JÓVENES RURALES: ENFRENTAMIENTOS Y SUS TÁCTICAS DE RESISTENCIA
RESUMEN
El presente artículo se trata del estudio sobre las tácticas utilizadas como proceso potencializador para la superación de la violencia y la violación de derechos
-


vivenciados por jóvenes rurales. La metodología utilizada se trata de la investigación cualitativa de carácter descriptivo que se desarrolló en cinco etapas: la revisión bibliográfica de la literatura existente; la ubicación de los sujetos a través del Centro de Referencia Especializado de Asistencia Social - CREAS; la recolección de datos a través de una entrevista semiestructurada con una joven en el género femenino y un joven masculino con edad de 19 y 20 años de la zona rural del agreste alagoano; el análisis de los datos a través del análisis de contenido; y la devolución final para los jóvenes sujetos de la investigación. En el siglo XVIII, en el siglo XVIII, Ante el análisis de la investigación, se pueden construir tres categorías para auxiliar la comprensión de los datos: Joven en su modo de vida rural; Violencia vivida en sus diversas formas; Modos de enfrentamiento y resistencia. Se reflexionó sobre los modos singulares de existencia de la joven y su relación con la nueva conceptualización de la ruralidad, la vivencia de ese sujeto violento y rehén del sistema que no le da acceso a los derechos y los reales modos de reorganización y resistencia elaborados y practicados por ella / es. Se concluye que al joven rural todavía no se da por parte de las políticas públicas el espacio de posibilidades de superación de esos acontecimientos desintegradores, o incluso espacio de lucha por sus derechos, pero que esa lucha existe así, sucede en cada resistencia cotidiana y silenciosa.
Palabras clave: Joven. Ruralidades. Violencia. Resistencia.
VIOLENCE LIVED BY RURAL YOUNG PEOPLE: FACES AND THEIR RESISTANCE TACTICS
ABSTRACT
The present article deals with the study on the tactics used as a process for the improvement of violence and the violation of rights experienced by rural youth. The methodology used is the descriptive qualitative research that was developed in five stages: the bibliographical review of the existing literature; the location of the subjects through the Specialized Reference Center for Social Assistance - CREAS; the collection of data through semi-structured interview with a young woman in the female gender and a young male with age of 19 and 20 years of rural alagoano; analysis of data through Content Analysis; and the final devolution for the young subjects of the research. It had
-

as reference the writings of Foucault (1979). Before the analysis of the research, one can construct three categories to aid the understanding of the data: Young in its rural way of life; Violence lived in its various forms; Modes of coping and resistance. It was reflected on the unique modes of existence of the youth and their relationship with the new conceptualization of rurality, the experience of this violent subject and hostage of the system that does not give him access to the rights and the real modes of reorganization and resistance elaborated and practiced by they are It is concluded that the rural youth is not yet given, by public policies, the space of possibilities for overcoming these disintegrating events, or even a space for fighting for their rights, but that this struggle exists nonetheless, it happens in every daily resistance and silent.
Keywords: Young people. Rural environment. Violence. Resistance.

Publicado
2018-12-21
Como Citar
RIBEIRO, Julyanna De Melo; FERNANDES, Saulo Luders; OLIVEIRA, Érika Cecília Soares. VIOLÊNCIA VIVIDA POR JOVENS RURAIS: ENFRENTAMENTOS E SUAS TÁTICAS DE RESISTÊNCIA. Amazônica - Revista de Psicopedagogia, Psicologia escolar e Educação, [S.l.], v. 22, n. 2, Jul-Dez, p. 98-120, dez. 2018. ISSN 2318-8774. Disponível em: <http://periodicos.ufam.edu.br/amazonica/article/view/5123>. Acesso em: 26 mar. 2019.
Seção
Artigos