CONCEPÇÕES DE JUVENTUDE E O TRABALHO DO PSICÓLOGO ESCOLAR

APONTAMENTOS E DESAFIOS

  • Fernando Lacerda Junior Universidade Federal de Goiás - UFGO
  • Maraiza Oliveira Costa Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás

Resumo

O objetivo do estudo foi compreender de que modo as concepções dos jovens sobre juventude e sobre adolescência podem contribuir para a práxis profissional de psicólogos na escola. Na fundamentação teórica se apresenta um posicionamento em favor de uma análise histórico-social do processo de desenvolvimento humano. Foi realizada uma pesquisa qualitativa empírica em que foram propostas entrevistas semiestruturadas a quatro jovens com idade entre 18 e 19 anos que cursaram o Ensino Médio em uma escola da Rede Federal de Ensino do Município de Goiânia e os resultados foram analisados a partir da análise de conteúdo (Vázquez-Sixto, 1997; Bardin, 2011). A pesquisa apontou que as concepções de juventude parecem estar mais abertas a uma análise histórico-cultural do que as concepções de adolescência que carregam uma noção universalizante desse momento da vida. Consideramos que propor uma discussão pautada na análise de aspectos históricos e sociais permite ao psicólogo escolar propor ações para indivíduos concretos na escola.

Publicado
2018-08-10
Como Citar
JUNIOR, Fernando Lacerda; COSTA, Maraiza Oliveira. CONCEPÇÕES DE JUVENTUDE E O TRABALHO DO PSICÓLOGO ESCOLAR. Amazônica - Revista de Psicopedagogia, Psicologia escolar e Educação, [S.l.], v. 21, n. 1, Jan-Jun, p. 89-115, ago. 2018. ISSN 2318-8774. Disponível em: <http://periodicos.ufam.edu.br/amazonica/article/view/4708>. Acesso em: 21 out. 2018.
Seção
Artigos