A GRAMÁTICA (IN)ATINGÍVEL: O ENSINO (TRADICIONAL) DA LÍNGUA PORTUGUESA ENTRE DISCURSIVIDADES OUTRAS E VELHAS ROUPAGENS

TEACHING (TRADITIONAL) PORTUGUESE LANGUAGE BETWEEN DISCURSIVIDADES OTHER AND OLD CLOTHES

  • Éderson Luís Silveira Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
  • Francisco Vieira da Silva UFERSA e UERN

Resumo

O presente trabalho visa apresentar uma abordagem exploratória e analítico-reflexiva acerca do ensino de língua portuguesa. Para isso, serão analisadas sequências discursivas de um gramático e um linguista a partir do aparato teórico-metodológico da análise peucheteana do discurso de língua francesa. Os gestos de interpretação realizados apontam para o fato de que o ensino de língua portuguesa preserva na contemporaneidade a ideologia de padronização da língua como uma língua imaginária produzida a partir do discurso gramatical e dicionarísticos que negligencia a existência da heterogeneidade linguística. Assim, apontamos para a necessidade de que haja reflexões cada vez mais acentuadas sobre a gramática que se baseiem na necessidade de emancipar sujeitos e não em dificultar o ensino de uma língua irreal, form(ul)ada no interior do imaginário social sobre a língua.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##

Doutor em Linguística pela Universidade Federal da Paraíba – UFPB. Professor Adjunto da Universidade Rural do Semi-Árido – UFERSA e do Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL) da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN).

Referências

AROUX, Sylvain. A revolução tecnológica da gramaticalização. Trad. Eni Orlandi. Campinas: Editora da Unicamp, 2001.
BAKTHIN, M. (Voloshinov). Marxismo e filosofia da linguagem. 8. ed. São Paulo: Huicitec, 1986.
BOLOGNINI, Carmem Zink. PFEIFFER, Claudia. LAGAZZI, Suzy. Discurso e ensino: práticas de linguagem na escola. Campinas: Mercado das Letras, 2009.
BORTONI-RICARDO. Stela Maris. Nos cheguemu na escola e agora? Sociolingüística na sala de aula. São Paulo: Parábola editorial, 2005.
BOURDIEU, Pierre. Dossiê Bourdieu. Revista Cult, ano 15, mar/2012, p. 18-47.
CASTILHO, Ataliba Teixeira de. Pequena gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2012.
CIPRO NETO, Pasquale. Gramática da língua portuguesa. São Paulo: Scipione, 1998.
ESTEVES, Phelipe Marcel da Silva. Os sentidos de Norma e Erro no Dicionário de Matoso Câmara Jr. Signum: Est. Ling., n. 14/2, p. 241-160, dez 2011.
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Graal, 1985.
ORLANDI, E. Análise do discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2003.
PÊCHEUX, Michel. Análise do Discurso. Textos selecionados. Eni Orlandi 2ª Edição. Campinas: Pontes, 2004.
PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.
PERINI, Mário Alberto. Gramática Descritiva do Português. São Paulo: Ática, 2006.
SANTOS, Luciano dos. As identidades culturais: proposições conceituais e teóricas. Revista Rascunhos Culturais, v. 2, jul./dez. 2011, p. 141-157.
SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In: Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.
Publicado
2018-06-30
Como Citar
SILVEIRA, Éderson Luís; SILVA, Francisco Vieira da. A GRAMÁTICA (IN)ATINGÍVEL: O ENSINO (TRADICIONAL) DA LÍNGUA PORTUGUESA ENTRE DISCURSIVIDADES OUTRAS E VELHAS ROUPAGENS. HON NO MUSHI - ESTUDOS MULTIDISCIPLINARES JAPONESES - ISSN 2526-3846, [S.l.], v. 3, n. 4, p. 144-153, jun. 2018. ISSN 2526-3846. Disponível em: <http://periodicos.ufam.edu.br/HonNoMushi/article/view/4476>. Acesso em: 15 dez. 2018.