A RESSIGNIFICAÇÃO IDENTITÁRIA DE PROFESSORAS DE LÍNGUAS MEDIADA PELA PERSPECTIVA DA FORMAÇÃO CRÍTICO-REFLEXIVA DE BASE SOCIOCULTURAL E POR FILMES SOBRE PROFESSORES

  • Lauro Sérgio Machado Pereira IFNMG

Resumo

Este trabalho discorre acerca da formação crítico-reflexiva e da construção de identidades na formação de professores, considerando os filmes como gêneros discursivos capazes de catalisar esse processo. Objetivou-se que um grupo de professoras de línguas pudessem descrever, analisar, confrontar e ressignificar as identidades de si, na mediada em que estabeleciam relações com as construções identitárias docentes apresentadas nos filmes e no discurso da sociedade contemporânea. A metodologia adotada foi a Pesquisa-Ação, a qual é desenvolvida sob os preceitos do pensamento complexo e coaduna com uma perspectiva dialógica de linguagem ao convidar os sujeitos a se implicarem no processo de interação. Por meio de sessões de visionamento de filmes cujos personagens são docentes de línguas, as participantes realizaram exercícios de reflexão crítica mediante a escrita de diários reflexivos/de bordo. A discussão dos dados indica que é possível desenvolver reflexões críticas que entendam a natureza das identidades construídas e, assim, fornecer às professoras perspectivas e encaminhamentos para uma reconstrução positiva de suas identidades.

Referências

ALEA, T. G. Dialética do espectador: seis ensaios do mais laureado cineasta cubano. Tradução de Itoby Alves Correa Jr. São Paulo: Summus, 1984.
ALLRED, C. Critical media literacy: a 21st centuryteaching tool. In: GIL, G.; VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. Educação de professores de línguas – os desafios do formador. Campinas: Pontes Editores, 2008, p. 91-104.
AMORIM, M. O pesquisador e seu outro: Bakhtin nas ciências humanas. São Paulo: Musa Editora, 2004.
BAKHTIN, M. Estética da criação verbal.4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.
_____.; VOLOCHINOV. V. N. Marxismo e filosofia da linguagem. 11. ed. São Paulo: Hucitec, [1929]2004.
BARBIER, R. A Pesquisa-Ação. Brasília: Liberlivro, 2007.
BAUMAN, Z. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Tradução de C. A. Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.
CALVO, L. C. S.; FREITAS, M. A. Currículo e formação docente inicial no dizer de formadores de um curso de letras: ênfases, lacunas e consequências. In: SILVA, K. A.; DANIEL, F. G.; KANECO-MARQUES, S. M.; SALOMÃO, A. C. B. (Orgs.). A formação de professores de línguas: novos olhares – volume 1. Campinas: Pontes Editores, 2011. (Coleção Novas Perspectivas em Linguística Aplicada, Vol. 11.)
COSTA, S. R. Dicionário de gêneros textuais. 2. ed. rev. ampl. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.
DEWEY, J. How we think. New York: Heath and Company, 1933.
DUARTE, R. Cinema e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.
FERREIRA, S. C. O professor como personagem e a escola como cenário: escola e sociedade em filmes norte-americanos (1955-1974). Curitiba: UFPR, 2003. (Tese de Doutorado).
FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.
FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, [1996] 2004.
_____. Pedagogia do oprimido. 47. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, [1970] 2013.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.
JOHNSON, K. E. The sociocultural turn and its challenges for second language teacher education. Tesol Quarterly, v. 40, n. 1, p. 235-258, March, 2006.
_____.Trends in second language teacher education. In: BURNS, A.; RICHARDS, J. C. (Ed.). Second language teacher education. Cambridge: Cambridge University Press, 2009, p. 20-29.
_____.; FREEMAN, D. Teacher learning in second language teacher education: a socially-situated perspective. In: Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 1, n. 1, p. 53-69, 2001.
MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. 4. ed. Tradução de E. Lisboa. Porto Alegre: Sulina, 2011.
PEREIRA, L. S. M. O professor de línguas vai ao cinema: ressignificando a identidade profissional sob a perspectiva da formação crítico-reflexiva. Brasília: LET/UNB, 2014. (Dissertação de Mestrado)
PERRENOUD, P. A prática reflexiva no ofício de professor: profissionalização e razão pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2002.
PIMENTA, S. G. Professor reflexivo: construindo uma crítica. In: PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. (Orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2002, p. 17-52.
RAJAGOPALAN, K. Por uma linguística crítica: linguagem, identidade e a questão ética. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.
SCHÖN, D. A. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Tradução de Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed, 2000.
_____. The reflective practitioner. Nova York: Basic Books, 1983.
STAM, R. Introdução à teoria do cinema. 2. ed. Campinas: Papirus, 2003.
TURNER, G. Cinema como prática social. São Paulo: Summus, 1997.
VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. A formação de professores de línguas de uma perspectiva sociocultural. In: Signum: Estud. Ling., Londrina, n. 15/2, p. 457-480, dez. 2012.
VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores.7. ed. São Paulo: Martins Fontes, [1978] 2007.
_____.Thought and language. Cambridge: The MIT Press, 1986.
WOODWARD, K. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, T. T. (org.). Identidade e diferença – A perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.
Publicado
2018-06-30
Como Citar
PEREIRA, Lauro Sérgio Machado. A RESSIGNIFICAÇÃO IDENTITÁRIA DE PROFESSORAS DE LÍNGUAS MEDIADA PELA PERSPECTIVA DA FORMAÇÃO CRÍTICO-REFLEXIVA DE BASE SOCIOCULTURAL E POR FILMES SOBRE PROFESSORES. HON NO MUSHI - ESTUDOS MULTIDISCIPLINARES JAPONESES - ISSN 2526-3846, [S.l.], v. 3, n. 4, p. 13-30, jun. 2018. ISSN 2526-3846. Disponível em: <http://periodicos.ufam.edu.br/HonNoMushi/article/view/4434>. Acesso em: 19 ago. 2018.