HOMENS, HOMÚNCULOS E ARMADURAS OCAS

O MONSTRUOSO NO MANGÁ FULLMETAL ALCHEMIST, DE HIROMU ARAKAWA

  • Bruno Silva de Oliveira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano - Campus Iporá Universidade Federal de Uberlândia (UFU) / Instituto de Letras e Linguística (ILEEL)

Resumo

Muito dos populares animes japonesas são adaptações de já consagrados mangás, dentre os mais conhecidos listamos Os cavaleiros do zodíaco (Seinto Seiya), de Masami Kuromada, Naruto (Naruto), de Masashi Kishimoto e Fullmetal Alchemist (Hagane no Renkinjutsushi), de Hiromu Arakawa. Ambos mangás têm o insólito como cerne, permeados de seres fluídos e polimorfos que transitam entre o real e o sobrenatural, sendo muito comum o aparecimento de seres monstruosos em suas páginas. Entende-se por monstro, o ser que suscitam estranhamento entre os homens ao fazer esses refletirem e questionarem as relações que estabelecem com o mundo por eles conhecido e domesticado (o mundo prosaico), ele é um símbolo cultural que materializa as transgressões as normas estabelecidas e dadas como imutáveis. Os monstros dão formas aos medos que se tem do desconhecido, que, muita das vezes, são identificadas como faces do mal. A partir da noção de monstr(uos)o, entende-se que os protagonistas do mangá Fullmetal Alchemist, Edward e Alphonse Elric, são monstros, pois os mesmos quebram um tabu, a transmutação humana, e perdem parte de ou completamente os seus corpos. Mas será que esta leitura tão simplista realmente procede se realizar-se uma leitura mais aprofundada do mangá e das teorias do monstruoso? E será que os protagonistas são os únicos personagens que se enquadram nesse conceito? Assim, este trabalho pretende discutir as manifestações monstruosas no mangá Fullmetal Alchemist, de Hiromu Arakawa.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##
Aluno regular do Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários - nível Doutorado da Universidade Federal de Uberlândia, possui Mestrado em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal de Goiás - Regional Catalão. Atua como professor efetivo da área de Letras – Português/Inglês do Instituto Federal Goiano – campus Iporá. Membro do Grupo de Pesquisas em Espacialidades Artísticas.

Referências

ARAKAWA, Hiromu. Fullmetal Alchemist. v.1. São Paulo: JBC mangás, 2002a.

ARAKAWA, Hiromu. Fullmetal Alchemist. v.3. São Paulo: JBC mangás, 2002b.

ARAKAWA, Hiromu. Fullmetal Alchemist. v.11. São Paulo: JBC mangás, 2003.

ARAKAWA, Hiromu. Fullmetal Alchemist. v.13. São Paulo: JBC mangás, 2004a.

ARAKAWA, Hiromu. Fullmetal Alchemist. v.15. São Paulo: JBC mangás, 2004b.

BRANDÃO, Junito de Souza. Mitologia grega. Vol. I. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1986.

CARROLL, Noël. A filosofia do horror ou Paradoxos do coração. Campinas, SP: Papirus, 1999.

COHEN, Jeffrey Jerome. A cultura dos monstros: sete teses. In: Silva, Tomaz Tadeu da (org. e trad.). Pedagogia dos monstros – os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. (p. 23 – 60)

FREUD, Sigmund. Totem e tabu (1913 [1912-13]). Em Edição Standard das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1980, v. XIII.

JEHA, Júlio. Apresentação - monstros: a face do mal. In: JEHA, Júlio. Monstros e monstruosidades na literatura. Belo Horizonte: ED. UFMG, 2007a. (p.07-08).

JEHA, Julio. Monstros como metáfora do mal. In: JEHA, Júlio. Monstros e monstruosidades na literatura. Belo Horizonte: ED. UFMG, 2007b. (p. 09-31)

ROAS, David. El monstruo posmoderno y los límites de lo fantástico. In.: GARCIA, Flávio; BATALHA, Maria Cristina; MICHELLI, Regina (orgs.). (Re)Visões do Fantástico: do centro às margens : caminhos cruzados. Rio de Janeiro: Dialogarts, 2014. (p. 107-120).

SHELLEY, Mary. Frankenstein. São Paulo: Martin Claret, 2007.
Publicado
2017-12-11
Como Citar
OLIVEIRA, Bruno Silva de. HOMENS, HOMÚNCULOS E ARMADURAS OCAS. HON NO MUSHI - ESTUDOS MULTIDISCIPLINARES JAPONESES - ISSN 2526-3846, [S.l.], v. 2, n. 2, p. 48-60, dez. 2017. ISSN 2526-3846. Disponível em: <http://periodicos.ufam.edu.br/HonNoMushi/article/view/3954>. Acesso em: 22 jun. 2018.