A LINGUAGEM GESTUAL - COMPARAÇÃO ENTRE A GESTUALIDADE NIPÔNICA E A BRASILEIRA

  • Fábio Ishiyama de Riccio Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

Resumo

Este trabalho analisa a linguagem gestual como parte integrante do discurso e da comunicação, através de considerações culturais inerentes e comuns a cada língua. Considerando a diferença entre gestos e sinais, uma vez que, gesticular é de natureza imagética e ação visual auxiliar utilizada durante o ato comunicativo, e os sinais são os vocábulos que constroem uma língua de natureza visual. Desta maneira, é esclarecida a importância quanto a produção e utilização dos gestos como auxiliares imprescindíveis das práticas comunicativas e expressivas.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##
Especialista em Políticas Públicas e Contextos Educativos (2015) pela FAR - Faculdade Adelmar Rosado em convênio com o Centro de Formação, Estudos e Pesquisas - FORUM. Especialista em Educação Especial - Atendimento Educacional Especializado (2014) pela UFC - Universidade Federal do Ceará. Especialista em Metodologia do Ensino da Língua Inglesa (2014) pela ESBAM - Escola Superior Batista do Amazonas. Licenciado em Letras - Língua e Literatura Portuguesa (2014) e Letras - Língua e Literatura Inglesa (2009) pela ESBAM - Escola Superior Batista do Amazonas. Graduando de Letras - Língua e Literatura Japonesa da UFAM - Universidade Federal do Amazonas. Participa do grupo de pesquisas "Estudos Japoneses" - discussões da UFAM. Professor de Nível Superior da SEMED - Secretaria Municipal de Educação - Manaus. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Língua Portuguesa, Língua Inglesa, Língua Japonesa, Libras e na área de Educação Especial

Referências

ADORO CINEMA, Bastardos Inglórios (Inglourious Basterds), 2009, em: www.adorocinema.com/filmes/filme-60208, acesso em: 11/07/15.

AQUI, Hamiru, tradução Aileen Chang, 70 Japanese Gestures – No Language Communication. Ed. Barbara Bayer – Tóquio, Japão, 2004.

CRIŞAN, Mihaela Anca. Estratégias de persuasão recuperáveis no discurso eleitoral de Barack Obama. Tradução de Carlos Alberto Magni.

EID&A - Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação, Ilhéus, n.1, p. 83-94, nov. 2011.

GOFFAN, Havi, The Meaning of Gestures: Body Language in Brazil – Target Latino. Ed. Comments in Hispanic Culture Blog, 21/01/2015. Acesso em 25 de abril de 2015.

GOLDFELD, M. A criança surda. Ed. Pexus. São Paulo, 1997.

GOMAN, Carol Kinsey, The Silent Language of Leaders: How Body Language Can Help or Hurt How You Lead. Ed. Jossey-Bass – São Francisco, Califórnia, EUA, 2011.

KENDON, A. Gesture: Visible action as utterance. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 2004. McNEILL, D. Hand and mind: What gestures reveal about thought. Chicago: University of Chicago Press, 1992.

McNEILL, D. Gesture and Thought. The University of Chicago Press; Chicago, EUA, 2005.

NASSAR, Paulo, FIGUEIREDO, Rubens. O que é comunicação empresarial. São Paulo: Brasiliense, 2007.

PETITTO, L. On the Autonomy of Language and Gesture: Evidence from the Acquisition of Personal Pronoums in American Sign Language. In Cognition. Elsevier Science Publisher B.V. vol. 27. 1987.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguística geral. Trad de A. Chelini , José P. Paes e I. Blikstein. São Paulo: Cultrix; USP, 1969. STROBEL, Karin. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis: Editora UFSC. 2008.

WEIL, Pierre; TOMPAKOW, Roland. O corpo fala: a linguagem silenciosa da comunicação não-verbal. Petrópolis: Vozes, 2002.

WEINSCHENK, Susan phd, 100 Things Every Presenter Needs To Know About Papaerback. Ed. Tracey Croom – Berkeley, Califórnia, EUA, 2012.
Publicado
2017-02-07
Como Citar
RICCIO, Fábio Ishiyama de. A LINGUAGEM GESTUAL - COMPARAÇÃO ENTRE A GESTUALIDADE NIPÔNICA E A BRASILEIRA. HON NO MUSHI - ESTUDOS MULTIDISCIPLINARES JAPONESES - ISSN 2526-3846, [S.l.], v. 1, n. 1, p. 43-81, fev. 2017. ISSN 2526-3846. Disponível em: <http://periodicos.ufam.edu.br/HonNoMushi/article/view/3384>. Acesso em: 17 dez. 2017.

Palavras-chave

Linguagem gestual; comparação; Brasil; Japão.