AS DEUSAS USURPADAS

A FEMINILIDADE TRANSGRESSORA NA OBRA UM RIO CHAMADO TEMPO, UMA CASA CHAMADA TERRA, DE MIA COUTO

  • Jandir Silva dos Santos Universidade Federal do Amazonas

Resumo

Em Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra (2003), Mia Couto discute questões como ancestralidade e identidade cultural, mas só as torna acessíveis por meio da descoberta de suas personagens femininas, da investigação de suas histórias como a entrada para os mistérios do clã dos Malilanes e da Ilha de Luar-do-Chão, conferindo-lhes o papel que outrora lhes fora usurpado pelo advento do patriarcado. Além de procurar entender por meio de autores como Krüger (2003) e Prandi (2001) de que forma a mulher, antes uma figura central nas narrativas tradicionais, acaba despojada em favor da ascensão masculina, esta pesquisa recorre aos estudos de Santos (2015) e Daibert (2015) para realizar uma leitura da atuação feminina em Um rio, e de que forma a cultura africana de tradição banta e a pós-colonização refletem na atitude da mulher moçambicana contemporânea que procura romper com os grilhões de uma tradição patriarcal.

Publicado
2018-06-01
Como Citar
DOS SANTOS, Jandir Silva. AS DEUSAS USURPADAS. Revista Decifrar, [S.l.], v. 6, n. 11, p. 40-58, jun. 2018. ISSN 2318-2229. Disponível em: <http://periodicos.ufam.edu.br/Decifrar/article/view/4297>. Acesso em: 17 dez. 2018. doi: https://doi.org/10.29281/rd.v6i11.4297.

Artigos mais lidos do mesmo autor

Obs.: Este plugin requer ao menos um plugin ou relatório de estatísticas para funcionar. Se seus plugins de estatísticas trabalham com mais de uma métrica, por favor selecione uma métrica principal na página de configuração disponível no painel do Administrador e/ou do Gerente do portal.