DOÑA MORALES: TENSÃO E PÓS-COLONIALIDADE NA OBRA DE ERASMO LINHARES

  • Alexandre da Silva Pimentel Universidade do Estado do Amazonas (UEA)

Resumo

Em 1492, os conquistadores estrangeiros apareciam pela primeira vez no horizonte e davam início ao que viria a ser um dos pontos mais significativos na história deste continente: o “descobrimento”.  Este choque de culturas e temporalidades distintas será tomado como ponto referencial para o desenvolvimento de algumas reflexões sobre a relevância do discurso como instrumento de poder e dominação utilizada pelo Império ao longo do processo colonial. Tal processo exigiu das culturas colonizadas posturas que lhes possibilitassem continuar vivas no interior de um contexto hegemônico e aculturador. Nestas circunstâncias o discurso pós-colonial, em tensão com a retórica etnocêntrica do Império, vai buscar construir possibilidades capazes de resistir na esfera discursiva e subverter os temas, os mitos de poder, raça e subordinação sustentados pelo discurso de expansão imperial. Este artigo buscou analisar a natureza desta resposta pós-colonial e o modo como se configuram as representações de seus conflitos no texto de um autor oriundo de uma região historicamente marcada pela colonização, a saber, a Amazônia. A análise foca-se no conto Doña Morales, presente no livro O tocador de charamela (1979) do escritor amazonense Erasmo Linhares (1934-1999), e busca perceber como o discurso pós-colonial se articula no texto literário para estabelecer questionamentos às construções discursivas coloniais e, sob a égide destes questionamentos, responder a elas.

Referências

AGUALUSA, José Eduardo. O ano em que zumbi tomou o Rio. 1ª ed. Rio de Janeiro: Gryphus, 2008.

______. O Brasil é Colônia. Época, Set. 2004. Disponível em: http://revistaepoca.globo.com/Epoca/0,6993,EPT808282-1666,00.html. Acesso em: 28 Nov. 2017.


Bosi, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. 43ª ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Trad. Enilce Albergaria Rocha; Lucy Magalhães. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2002.

FANTINI, Marli. Águas turvas, identidades quebradas: hibridismo, heterogeneidade, mestiçagem e outras misturas. In: ABDALA JUNIOR, Benjamim (org.). Margens da cultura: mestiçagem hibridismo & outras misturas. – São Paulo: Boitempo, 2008. p. 159-180.

______. Hatoum & Rosa: matizes, mesclas e outras misturas. In: CRISTO, Maria da Luz Pinheiro de (org.). Arquitetura da memória: ensaios sobre os romances Dois irmãos, Relato de um certo oriente e Cinzas do Norte, de Milton Hatoum. Manaus: UFAM; UniNorte, 2007, p. 119-144.

HOUAISS, Antônio. Dicionário Eletrônico Houaiss da língua portuguesa 1.0. Ed. Objetiva Ltda. Dez/ 2001.

LINHARES, Erasmo. O tocador de charamela. Tenório Telles (org.). 3ª ed. – Manaus: Editora Valer/ Governo do Estado do Amazonas/ Edua/ UniNorte, 2005.

LUGARINHO, Mário César. Globalização, homogeneização cultural e literatura. In: CAVALHEIRO, Juciane (org.). Literatura, Interfaces, Fronteiras. – Manaus: UEA Edições, 2010. p. 253-266.

MATA, Inocência. O pós-colonial nas literaturas africanas de língua portuguesa. In: x congresso internacional da aladaa (Associação Latino-Americana de Estudos de Ásia e África), 2000, Rio de Janeiro. Cultura, poder e tecnologia: África e Ásia face à globalização. Rio de Janeiro, 2000. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/aladaa/. Acesso em: 28 Nov.2017.

______. A crítica literária africana e a teoria pós-colonial: um modismo ou uma exigência? O Marrare – Revista de Pós-Graduação em Literatura Portuguesa da UERJ. Rio de Janeiro, Nº 8, 2008. Disponível em: www.omarrare.uerj.br/numero8/inocencia.htm. Acesso em: 26 Fev, 2012.

MOREIRAS, Alberto. A exaustão da diferença: paradigmas do latino-americanismo. Trad. Eliana Lourenço de Lima Reis. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.

MOURALIS, Bernard. As contraliteraturas. Trad. António Filipe Rodrigues Marques; João David Pinto Correia. Coimbra: Livraria Almedina, 1982.

SAID, Edward W. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. Trad. Rosaura Eichenberg. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SANTOS, Eloína Prati dos. Pós-colonialismo e Pós-colonialidade. In: FIGUEIREDO, Eurídice (Org.). Conceitos de literatura e cultura. 2ª Ed. Niterói: Editora UFJF/ EdUFF, 2010. p. 341-365.

SOUZA, Márcio. Amazônia e modernidade. Estudos avançados, Vol. 16, Nº 45. São Paulo Mai/Ago, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142002000200003. Acesso em: 28 Nov, 2017.
Publicado
2018-06-01
Como Citar
PIMENTEL, Alexandre da Silva. DOÑA MORALES: TENSÃO E PÓS-COLONIALIDADE NA OBRA DE ERASMO LINHARES. Revista Decifrar, [S.l.], v. 6, n. 11, p. 96-112, jun. 2018. ISSN 2318-2229. Disponível em: <http://periodicos.ufam.edu.br/Decifrar/article/view/4095>. Acesso em: 17 dez. 2018. doi: https://doi.org/10.29281/rd.v6i11.4095.

Artigos mais lidos do mesmo autor

Obs.: Este plugin requer ao menos um plugin ou relatório de estatísticas para funcionar. Se seus plugins de estatísticas trabalham com mais de uma métrica, por favor selecione uma métrica principal na página de configuração disponível no painel do Administrador e/ou do Gerente do portal.