FIOS QUE (SE) TECEM: DISCURSO, TRADIÇÃO E MEMÓRIA EM CONTOS POPULARES

  • Hildete Leal dos Santos Universidade Federal da Bahia. Secretaria de Educação do Estado da Bahia
  • Adelino Pereira dos Santos Universidade do Estado da Bahia

Resumo

Tomando por base a teoria de Propp (1984) sobre as funções exercidas por personagens nos contos populares, neste trabalho consideramos conceitos e abordagem metodológica da Análise de Discurso de linha francesa (A.D.) para discutirmos sobre representações femininas em contos populares. Analisamos fragmentos de seis contos da tradição oral do interior da Bahia, versões locais de Cinderela, compilados nos anos finais da década de 1990, em comparação com uma matriz escrita de Perrault (1985). A análise revela que embora distantes no tempo e em diferentes condições de produção, as versões locais de Cinderela conservam as mesmas funções da matriz perraultiana, reveladoras de formações discursivas que colocam a mulher em condições de submissão e dependência do homem, em busca da redenção pelo casamento.  Na constituição desses sentidos, torna-se relevante o papel da memória, a perpetuar em tradição discursos que desconsideram as então atuais conquistas e reais condições de vida da mulher na sociedade.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##
Mestre em Cultura, Memória e Desenvolviemento Regional. Doutoranda do Programa Doutorado em Cultura e Difusão do Conhecimento pela UFBA.
##submission.authorWithAffiliation##
Doutor em Letras. Professor adjunto da Universidade do Estado da Bahia

Referências

COSTA, Edil Silva. Cinderela nos entrelaces da tradição. Salvador: Secretaria de Cultura e Turismo do Estado da Bahia ,EGBA,1998.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. ?. ed. São Paulo: Perspectiva, 2007 (Debates 52)

GUIMARÃES, Maria Flora. O Conto popular. In: BRANDÃO, Helena Nagamine (Coord.). Gêneros do discurso na escola: mito, conto, cordel, discurso político, divulgação cientifica. São Paulo: Cortez, 2000.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: vértice, 1990.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 7.ed. Rio de Janeiro: DP&Z, 2003.

HOBSBAWM, E.. RANGER, T. (Orgs.). A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

MENDES, Maria B. T. Em Busca dos contos perdidos: o significado das funções femininas nos contos de Perrault. São Paulo: UNESP, 2001.

PERRAULT, Charles. Contos de Perrault - Grandes obras da cultura universal – v.8. Belo Horizonte: Itatiaia, 1985.

PROPP, Vladimir. Morfologia do conto maravilhoso. Rio de Janeiro: Forense, 1984.

ZUMTHOR, P. Introdução à poesia oral. Trad. Jerusa Pires Ferreira et al. Campinas: Hucitec, 1993.

Dissertação de mestrado de um dos autores deste artigo, a ser inserida após a avaliação.
Publicado
2018-01-07
Como Citar
DOS SANTOS, Hildete Leal; DOS SANTOS, Adelino Pereira. FIOS QUE (SE) TECEM: DISCURSO, TRADIÇÃO E MEMÓRIA EM CONTOS POPULARES. Revista Decifrar, [S.l.], v. 5, n. 10, p. 51, jan. 2018. ISSN 2318-2229. Disponível em: <http://periodicos.ufam.edu.br/Decifrar/article/view/3367>. Acesso em: 21 abr. 2018. doi: https://doi.org/10.29281/rd.v5i10.3367.

Artigos mais lidos do mesmo autor

Obs.: Este plugin requer ao menos um plugin ou relatório de estatísticas para funcionar. Se seus plugins de estatísticas trabalham com mais de uma métrica, por favor selecione uma métrica principal na página de configuração disponível no painel do Administrador e/ou do Gerente do portal.