A HISTÓRIA EM PERMANENTE ESTADO DE CRISE?

Considerações sobre crítica, modernidade e conhecimento histórico a partir de Michel Foucault

  • Jacson Schwengber UFRGS

Resumo

O presente artigo inicia com diagnósticos, contemporâneos e modernos, de uma crise do conhecimento histórico. Atualmente, fala-se em um possível esgotamento do conceito moderno de história. No entanto, a partir da leitura de Michel Foucault argumenta-se que: muito do que se entende como ataque aos valores da modernidade e/ou do Iluminismo já se encontrava presente no pensamento dos próprios autores modernos. A trajetória de Pierre Bayle (1647-1706) é utilizada como exemplo para corroborar essa hipótese. A noção de crítica formulada por Michel Foucault é o ponto articulador para se tecer considerações em dois sentidos: 1) formas alternativas de se repensar a ideia de modernidade; 2) alternativas ao que tem sido entendido como um regime de historicidade presentista.


Palavras-chave: crítica, modernidade, historiografia.


Abstract


The present article begins with diagnoses, contemporaneous and modern, of a crisis of historical knowledge. Nowadays, there is talk of a possible exhaustion of the modern concept of history. However, from the reading of Michel Foucault it is argued that: much of what is understood as an attack on the values of modernity and/or of the Enlightenment was already present in the thinking of the modern authors themselves. Pierre Bayle's (1647-1706) trajectory is used as an example to corroborate this hypothesis. The notion of criticism formulated by Michel Foucault is the articulating point to make considerations in two senses: 1) alternative ways of rethinking the idea of modernity; 2) alternatives to what has been understood as a presentist regime of historicity.


Keywords: criticism, modernity, historiography.

Publicado
2018-08-24
Como Citar
SCHWENGBER, Jacson. A HISTÓRIA EM PERMANENTE ESTADO DE CRISE?. Canoa do Tempo, [S.l.], v. 10, n. 1, p. 67-88, ago. 2018. ISSN 2594-8148. Disponível em: <http://periodicos.ufam.edu.br/Canoa_do_Tempo/article/view/4418>. Acesso em: 15 dez. 2018.