CRESCIMENTO POPULACIONAL DO CLADOCERA MOINA SP. EM SISTEMA DE CULTIVO ESTÁTICO

  • Ana Carolina Souza Sampaio Nakauth Universidade Federal do Amazonas Instituto Natureza e Cultura Colegiado de Ciências Agrárias e do Ambiente
  • Reinaldo Luzeiro Müller Universidade Federal do Amazonas Instituto Natureza e Cultura
  • Marle Angélica Villacorta-Correa Universidade Federal do Amazonas Faculdade de Ciências Agrárias Departamento de Ciências Pesqueiras
  • Agno Nonato Serrão Acioli Universidade Federal do Amazonas Instituto Natureza e Cultura Colegiado de Ciências Agrárias e do Ambiente
  • Ronaldo de Almeida Universidade Federal do Amazonas Instituto Natureza e Cultura Colegiado de Ciências Agrárias e do Ambiente

Resumo

As dificuldades na produção de organismos zooplanctônicos em larga escala estão relacionadas com a falta de conhecimento suficiente para produção massiva e constante destes organismos. Este trabalho propôs descrever o crescimento populacional de Moina sp. em sistema de cultivo estático,  visando subsidiar a elaboração de protocolo de produção. Cem organismos do gênero Moina sp. foram cultivados a partir de inóculo de 35 litros da microalga Chlorella sp. (1,5x10-6 cél.ml-1) + farinha de peixe (70g), em três unidades de cultivo, com 200 L cada. Diariamente os organismos foram coletados, quantificados, classificados e medidos com auxílio de estereomicroscópio. Os dados obtidos foram organizados e elaboradas curvas de crescimento e categorias populacionais ao longo do período de cultivo (13 dias), considerando jovens, adultos e fêmeas partenogenéticas. O experimento foi conduzido sob temperatura 26,70±1,60ºC, temperatura da água 27,20±1,54ºC, pH 7,70±0,53 e condutividade elétrica 54,80±7,85 μs.cm-1. As características ambientais não influenciaram na variação de densidade. Não houve diferença significativa na participação das categorias populacionais (neonatos, adultos e fêmeas partenogenéticas) entre as unidades experimentais e os dias de cultivo. A capacidade suporte do sistema estático foi atingida aos 7 dias de cultivo (266,92±16,94 org.l-1) e tempo de cultivo 13 dias. A taxa de crescimento específico (1,09.dia-1), possibilita em curto prazo (07 dias) a obtenção de volumes satisfatórios, sendo indicado para produção massiva visando a alimentação de larvas de peixes nativos. A intervenção em sistemas estáticos de produção de Moina sp. deve ser feita partindo do 4º dia visando otimizar a fase de crescimento exponencial.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##
Engenheira de pesca, Mestre em Aquicultura, Docente na Universidade Federal do Amazonas, Campus de Benjamin Constant, Amazonas. Trabalha com aquicultura de espécies nativas amazônicas, especificamente matrinxã Brycon amazonicus.
##submission.authorWithAffiliation##
Estudante do Curso Licenciatura e Bacharelado em Ciências Agrárias e do Ambiente
##submission.authorWithAffiliation##
Possui graduação em Ciências Biológicas - Universidad Nacional de la Amazonía Peruana (1974), mestrado em Biologia de Água Doce e Pesca Interior pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (1986) e doutorado em Biologia de Água Doce e Pesca Interior pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (1997). Atualmente é professora associada III da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), professora tempo parcial sem remuneração no Curso de Pós Graduação em Aquicultura da Universidade Nilton Lins/INPA. Tutora do Programa de Educação Tutorial (PET) do Curso de Engenharia de Pesca da UFAM. Tem experiência nas áreas de: taxonomia de peixes amazônicos, biologia pesqueira, biologia de peixes aplicada a aquicultura, boas práticas de manejo na piscicultura, reprodução e larvicultura de peixes com ênfase em tambaqui e matrinxã.
##submission.authorWithAffiliation##
Doutorado e Mestrado em Ciências Biológicas (área de concentração em Entomologia) pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, 2007 e 2001, respectivamente. Graduado em Agronomia pela Universidade Federal do Amazonas, 1998. Atualmente é professor do Curso de Ciências Agrágrias e do Ambiente do Instituto de Natureza e Cultura/Universidade Federal do Amazonas (INC/UFAM) no Município de Benjamin Constant, Amazonas. Desde a graduação trabalha com invertebrados terrestres em ecossistemas amazônicos. Mestrado e doutorado com ênfase em ecologia e taxonomia de cupins sem soldados (Isoptera: Termitidae: Apicotermitinae).
##submission.authorWithAffiliation##
Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Rondônia (2004), mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente pela Universidade Federal de Rondônia (2006) e doutorado em Ciências Biológicas (Biofísica) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2012). Atualmente é professor adjunto I da Universidade Federal do Amazonas. Tem experiência nas seguintes áreas: Ecologia com ênfase em Ecologia de reservatórios, atuando principalmente nos seguintes temas: Limnologia de reservatórios, contaminação ambiental e humana por mercúrio na região amazônica. Métodos cromatográficos e espectrométricos para a detecção de mercúrio em matrizes complexas.
Publicado
2015-05-07
Como Citar
SAMPAIO NAKAUTH, Ana Carolina Souza et al. CRESCIMENTO POPULACIONAL DO CLADOCERA MOINA SP. EM SISTEMA DE CULTIVO ESTÁTICO. ANINC - Anuário do Instituto de Natureza e Cultura, [S.l.], v. 1, p. 18-29, maio 2015. ISSN 2525-300X. Disponível em: <http://periodicos.ufam.edu.br/ANINC/article/view/804>. Acesso em: 23 nov. 2017.
Edição
Seção
Ciências Biológicas e Ambientais - Artigos